Nossa área de suporteDicas e soluções

Este espaço foi criado para ajudar vocês a tirarem dúvida, usar todos os recursos disponíveis em nossas soluções Web e ficarem por dentro das novidades

A migração para a nuvem está bem encaminhada. Todo mundo pensou que seria apenas uma moda passageira, mas aos poucos ganhou relevância a cada ano que se passou.

Apesar de constatar que a computação em nuvem esteja em uma fase avançada de expansão no mercado, as empresas continuam a cometer os mesmos erros de implementação. Alguns problemas são rapidamente corrigidos, enquanto que outros colaboram em destruir projetos inteiros de cloud computing.

O primeiro erro comum que ocorre é a falta no entendimento dos custos ou o custo total que a instalação da nuvem gera no momento em que se torna operacional. Métricas complexas são exigidas para determinar se a nuvem vai de fato contribuir a economizar recursos financeiros para a sua organização, mas a maioria das empresas de TI está pouco disposta a olhar para os números. Você deve possuir uma contabilidade firme e um gerenciamento financeiro voltado para monitorar o custo total do impacto e do valor que essa migração de aplicações traz para dentro da nuvem.

O segundo erro é entender as operações de desenvolvedores da maneira errada. Essas operações podem ser demasiadamente valiosas, se administradas e desenvolvidas propriamente, com as ferramentas e as abordagens certas. No entanto, muitos empreendedores simplesmente lidam com esses recursos sem nenhuma organização ou processo de mudança efetiva.

Finalmente existe a questão da segurança e os direitos de governança. Em muitos aspectos, aqueles que decidem por migrar suas aplicações para a nuvem não pensam em segurança e gerenciamento e costumam empurrar essas responsabilidades para o setor de TI. Sem compreender como será construída a estratégia de arquitetura e infraestrutura de seu setor de TI, os problemas só serão resolvidos quando algo muito grave ocorrer e já for tarde demais.

O aprendizado ocorre durante o processo de migração, mas a frequência desses erros não precisa mais ser constante. É fundamental ficar atento aos principais quesitos que envolvem a mudança para a computação em nuvem.

 

 

Fonte: BROADTEC